segunda-feira, 26 de outubro de 2009

SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS - Mateus 4,25 – 5,1-12

Acompanhe o resumo do comentário pelo twitter
1 - LEITURA
O que diz o texto?
Indicações para a leitura
Queridos jovens:
No dia primeiro do mês de novembro, a Igreja celebra a Solenidade de Todos os
Santos. Por tratar-se de uma festa tão importante lhe é dada primazia sobre o Domingo
Comum e assim, deixamos novamente o evangelho de Marcos para orar com o texto do
evangelho de Mateus.
Habitualmente se intitula este texto de “as bem-aventuranças”, e ele é tirado do
começo do capitulo 5 do evangelho de São Mateus. É interessante que este relato seja como
o pórtico ou prólogo de todo um discurso de Jesus que começa aqui e termina no final do
capítulo 7. Este grande discurso condensa os ensinamentos de Jesus particularmente sobre
temas morais, ou seja, busca responder ao como deve viver o discípulo de Jesus: onde
encontrar o bem, onde apartar-se do mal, o que deve fazer, o que não deve fazer... A
introdução a tudo isto tem a ver co m o que hoje nos é proclamado: ser ditosos, ser felizes,
ser benditos, ser abençoados, ser bem-aventurados... A vida moral, os mandamentos, as
exigências do evangelho não são “uma carga”, não são uma imposição para tornarmos mais
pesada à vida... Senão que são o caminho, a bênção, a verdadeira felicidade... Jesus sobe a
montanha como imagem de um “novo” Moisés, um novo legislador, para entregar seus
ensinamentos de maneira pública e solene a toda a gente e seus discípulos a seu lado.
O que mais nos chama a atenção é que esta felicidade pode realizar-se nas
circunstâncias mais adversas para os homens e as mulheres de todos os tempos: os que
sofrem (versículos 4) e os que são maltratados (versículos 10 e 12). Por que isto é assim?
Porque a felicidade e a dita verdadeira felicidade estão somente em Deus. Lamentavelmente
muitos buscam a felicidade a margem de Deus... e não a encontram. O que encontram é uma
“felicidade aparente”, ou um “espelho da felicidade”, ou uma “caricatura da felicidade”. Será
apenas um alvoroço exterior... será diversão... e não uma autêntica alegria cristã? O
surpreendente da alegria e da felicidade cristã é que pode coexistir e, de fato, coexistir com a
dor e com o sofrimento. Em meio à dor e o sofrimento misteriosamente posso ser feliz
porque descubro que minha vida está nas mãos de Deus, se me abro a Ele. Nem a
enfermidade, nem os poderes mais nebulosos do mal, de nosso mundo, poderão prejudicar
nossa interioridade, se nos abrimos a Deus e a seu mistério que nos chama e nos dá as forças
para sermos benditos, ditosos, bem-aventurados, gozosos, alegres e felizes no Senhor.
Este caminho que parece difícil é possível porque contamos com a ajuda constante e
permanente do mesmo Deus na medida em que lhe abrimos o coração. Este caminho já foi
possível na vida dos santos que a Igreja já canonizou. Os santos não são Deus, são homens e
mulheres limitados e pecadores que foram capazes de abrir-se a Deus e deixar que o Deus
opere em suas vidas para descobrir e viver o caminho da autêntica bênção e felicidade. Por
isso a Igreja os coloca como modelos e intercessores. Não estão para ser adorados... Somente
Deus é objeto de nossa adoração. Os santos nos mostram que o caminho é possível e desde o
céu intercedem por nós, para que encontremos nas circunstâncias particulares de cada tempo
histórico e de cada cultura, o caminho da plenitude e da felicidade que Deus nos tem
presenteado.
Por isto, hoje, mais do que nunca, ao realizar esta Lectio Divina, sentimo-nos
amados por Deus e chamados a ir ao seu encontro para empreender o caminho de nossa
autêntica santidade que consiste em abrir nossos corações para receber sua graça que nos
capacita para cumprir com os mandamentos e as exigências do Evangelho para assim
encontrar o único caminho possível a autêntica bênção, felicidade e alegria...
Curiosidade: as “bem-aventuranças” são uma forma literária particular
presente nos grandes gêneros literários da Sagrada Escritura. Caracteriza-se
por ter presente o termo grego makarioi que pode ser traduzido como bemaventurado,
bendito, ditoso, feliz ou como o fazemos aqui, abençoado... Com
o presente de Deus.
Outros textos bíblicos para confrontar: Lc 6,20-23; Sal 37,11; Is 61,2-3 e
Amós 8,11-12.
Para continuar aprofundando estes temas, você pode olhar na sua Bíblia o
termo a expressão voz “Santidade, santo”.
Perguntas para a leitura
· Quantos estão seguindo o Senhor?
· De que lugares eles vêem?
· O que faz Jesus quando vê tanta gente?
· O que fazem os discípulos?
· Por que Deus abençoa os que confiam n’Ele?
· O que faz Deus com as pessoas que sofrem?
· Que virtude é necessária para receber a terra prometida?
· Que “prêmio” receberão os que buscam a justiça verdadeira
que somente vem de Deus?
· O que acontece com os que são compassivos?
· Quem verá a Deus?
· Como se chama aqueles que trabalham sinceramente pela paz no mundo?
· Quem formará parte do Reino de Deus?
· O que acontecerá ao que seja maltratado ou caluniado pelo fato de ser discípulo do
Senhor?
· Por que temos que nos alegrar e ficarmos contentes?
2 - MEDITAÇÃO
O que me diz o texto? O que nos diz o texto?
Perguntas para a meditação
· Hoje em dia, os que são do meu ambiente: seguem ou não seguem a Jesus? Buscam
ou não buscam seu ensinamento?
· Como me impacta o fato que Jesus “solenemente” suba a montanha e como um
“novo” Moisés comece seu ensinamento sobre a bênção e a felicidade que Deus nos
traz?
· Sinto que sou abençoado pelo Senhor?
· Experimento sua bem-aventurança na minha vida?
· Sou verdadeiramente feliz?
· Deixo-me ensinar por Jesus?
· Confio totalmente no Senhor? Em que coisas sim e onde me é mais difícil?
· Deixo-me consolar por Deus em meio de meus sofrimentos cotidianos?
· Sou humilde? O que eu precisaria mudar para crescer na humildade?
· Desejo sinceramente a justiça? Ou caio habitualmente nos extremos da
despreocupação pelo irmão ou o desejo de vingança?
· Busco ser compassivo com os demais?
· Tenho um coração puro...?
· Comprometo-me no trabalho pela paz?
· Mantenho-me firme ainda que me maltratem por eu ser fiel a prática sincera da
justiça?
· Sinto-me abençoado por Deus quando por causa d’Ele mesmo eu possa ser mal
compreendido, maltratado e inclusive caluniado?
· Alegro-me e ponho-me contente por saber que vou receber um grande prêmio no
céu?
3 - ORAÇÃO
O que digo a Deus? O que dizemos a Deus?
Para a oração propomos um texto do Papa Paulo VI.
Gaudete in Domino I (a)
Como é sabido, há vários graus neste "feliz". Sua mais nobre expressão de alegria
ou "felicidade" em tudo, quando o homem ao nível das suas faculdades superiores, encontra
sua satisfação na posse de um bem conhecido e amado.
Assim, ele experimenta a alegria quando está em harmonia com a natureza e,
especialmente, a experiência do encontro, a participação e a comunhão com os outros.
Conhece a alegria espiritual e felicidade quando sua mente entra em posse de Deus,
conhecido e amado como o supremo e imutável bem...
... A sociedade tecnológica conseguiu multiplicar as oportunidades de prazer, mas é
muito difícil gerar alegria. Porque a felicidade tem outra origem. É espiritual. O dinheiro,
conforto, higiene, segurança material, muitas vezes faltam, no entanto, aborrecimento,
mágoa, da tristeza, infelizmente, a vida de muitos.
Trata-se de uma Encíclica do ano 1975, chamada Gaudate in Domino (“Alegrem se
no Senhor”). O papa busca definir ou ao menos descobrir a autêntica felicidade ou alegria do
homem. Estas reflexões lidas serenamente iluminam nosso texto bíblico para que possamos
fazer a oração.
4 - CONTEMPLAÇÃO
Como interiorizo a mensagem? Como interiorizamos a mensagem?
Para a contemplação propomos duas frases de dois santos que de maneira particular
nos iluminam sobre o tema das bem-aventuranças que hoje partilhamos:
· Um santo triste é um triste santo
SANTA TERESA DE ÁVILA (monja espanhola, 1515-1582)
· Fazemos consistir a santidade em estar sempre alegres.
SANTO DOMINGO (aluno de São João Bosco, 1842-1857)
5 - AÇÃO
Com que me comprometo? Com que nos comprometemos?
Proposta pessoal
· Eleger uma das “bem-aventuranças” para ter presente de maneira particular, no
próximo mês, buscando acrescentar e cultivar com a ajuda de Deus.
Proposta comunitária
· Em teu grupo de amigos, estabelecer um debate sobre a alegria e a felicidade nos
ambientes juvenis. Pode-se fazer, a partir da reflexão, com estas frases que aqui lhes
apresentamos: o que pensam? Estão de acordo? Em que sim e em que não? Por que
sem ou por que não?
FRASES:
· Ser feliz significa poder perceber-se a si mesmo sem temor
PAUL KLEE (pintor suiço, 1879-1940)
· As mais excelsas, as mais variadas e duradouras alegrias são as espirituais
ARTHUR SCHOPENHAUER (filósofo alemão, 1788-1860)
· A verdadeira felicidade só se adquire pela contemplação da verdade
DANTE ALIGHIERI (poeta italiano, 1265-1321)
· O mundo está cheio de pequenas alegrias; a arte consiste em saber distinguilas
LI-PO (poeta chinês, 698-762)
· A única maneira de multiplicar a felicidade é compartilhá-la
PAUL SCHERRER (físico suiço, 1890-1969)
· A felicidade consiste em fazer o bem
ARISTÓTELES (filósofo grego, 384-322)
· A alegria é o secreto gigante do Cristianismo
GILBERT CHESTERTON (escritor britânico, 1874-1936)
· A alegria é a pedra filosofal que tudo converte em oro
BENJAMIM FRANKLIN (filósofo y físico
Estados Unidos, 1706-1790)
· A alegria não está nas cosas, senão em nós
RICHAR WAGNER (músico e poeta alemão, 1813-1883)
· Minha felicidade é aumentar a dos demais
ANDRÉ GIDE (escritor francês, 1869-1951

Nenhum comentário: