segunda-feira, 21 de setembro de 2009

26º Domingo Comum - Ano B - Mc 9,38-43.45.47-48

LECTIO DIVINA
Domingo 27 de Setembro de 2009
Autor: Pe. Gabriel Mestre
Tradução: Pe. Carlos Henrique Nascimento

1 - LEITURA

O que diz o texto?

Indicações para a leitura
Queridos irmãos:
O Evangelho deste Domingo tem três partes bem diferenciadas:

·Versículos 38-40: o episódio dos que sem ser do grupo de Jesus fazem o bem em seu Nome.
·Versículos 41-42: duas “frases soltas” sem relação muito direta entre si nem com as duas outras partes do texto.
·Versículos 43-47: a radicalidade que se espera do discípulo na vivência da obediência a Deus.

Na primeira parte entra em cena João que viu algo que o surpreendeu. Encontra-se com uma pessoa que faz o bem e arranca o mal (“expulsa demônios) em nome de Cristo. O próprio João juntamente com alguns dos outros discípulos, ao ver que tal homem não era do grupo de Jesus, impediram-no. João e os que estavam com ele, esperavam talvez que Jesus os parabenizasse pelo que haviam feito. Mas sem dúvida, a coisa foi bem diferente. O Senhor lhes diz com clareza que não o proíbam porque ninguém pode estar contra Ele se antes tiver praticado o bem e expulsado o mal em seu Nome. Esta parte culmina com esta frase que se tornou popular e que é repetida até pelos não cristãos: “Quem não é contra nós é por nós”.
Nos versículos centrais encontramos duas frases do Senhor. A primeira tem a ver com o prêmio eterno que terá aquele que der de beber um copo de água a alguma pessoa por ser ela discípula de Cristo. Cristo se “identifica” no próprio discípulo na situação de necessidade. A segunda frase tem a ver com o “escândalo”. E descreve o que seria preferível para aquele que fizer com que algum discípulo deixe de confiar em Jesus, sobretudo se for fraco ou novo ou ainda imaturo na fé. O que seria preferível? Que lhe amarrassem ao pescoço uma das grandes pedras que se usavam para moer as sementes e que o atirassem ao mar.
Por último, na terceira parte do texto, dos versículos 43 ao 47, nos é apresentado um texto um pouco duro dado que se convida a “cortar” aquele membro que faça desobedecer a Deus: mão, pé e olho. É óbvio que não se deve entender estes ensinamentos ao pé da letra. O que está em jogo aqui é uma espécie de “definição plástica” que faz a Bíblia do homem. Para a mentalidade semita em geral e para a judaica em particular, “mãos e pés” fazem referência ao mundo da ação do homem, e, “olhos e coração” fazem referência ao mundo interior do homem. Por isso, o que deve ser cortado não é a mão nem o pé num sentido literal, mas sim aquelas ações de nossa vida que nos fazem desobedecer a Deus. Tampouco se deve arrancar o olho biológico, mas sim se deve tirar todo pensamento, afeto e sentimento interior que nos façam desobedecer a Deus.

Saiba que: se você prestar bem atenção nas suas edições da Bíblia perceberá que faltam os versículos 44 e 46. A que se deve isso? Alguns manuscritos antigos repetem o versículo 48 também depois do 43 (no 44) e depois do 45 (no 46). Os estúdios mais profundos do texto bíblico demonstram que estes são adições posteriores que não devem ser levados em conta.

Outros textos bíblicos para confrontar: Lc 9,49-50; Lc 17,1-2; Mt 18,6-9; Mt 10,42.

Para continuar aprofundando estes temas olhe no Índice Temático de sua Bíblia, o vocábulo “Inferno”.

Perguntas para a leitura

Quem é o primeiro personagem que entra em cena no Evangelho de hoje?
O que ele diz a Jesus?
Por que os discípulos do Senhor proíbem esta pessoa de expulsar demônios?
Como reage Jesus? O que ele diz?
Qual é o argumento que o Senhor apresenta para permitir que expulsem demônios em seu Nome?
Que sorte terá aquele que der de beber um copo de água a alguém que seja discípulo do Senhor?
O que é preferível que aconteça àquele que faça com que um dos pequenos discípulos do Senhor se afaste do caminho e deixe de confiar em Deus?
O que se deve fazer com a mão, com o pé ou com os olhos quando nos fazem desobedecer a Deus e a seu caminho?
O que nos é proposto devemos entendê-lo ao pé da letra?
O que significam mãos, pés e olhos na visão plástica do homem em alguns textos da Bíblia?

2 - MEDITAÇÃO

O que o texto me diz? O que o texto nos diz?
Perguntas para a meditação
Tenho a atitude de João para com este homem que faz o bem em Nome de Jesus?
Sou intolerante?
Em que medida me deixo levar pelo “partidarismo” entre aqueles que temos a mesma função de ajudar aos irmãos que se libertem de seus males?
O quanto existe em meu coração de ciúme, inveja, rivalidades?
Me sinto incomodado pelo protagonismo no que se refere ao bem do irmão ou de outro grupo que eu não pertenço?
Em que devo amadurecer nestes aspectos que viemos citando?
O que penso das palavras de Jesus?
Que impacto tem hoje na minha vida as palavras do versículo 40: “Quem não está contra nós é por nós”?
Me preocupo e me ocupo com os irmãos da comunidade?
Atendo aos mais fracos, buscando ver neles o rosto de Jesus Cristo?
Busco não escandalizar os irmãos menores e mais fracos no caminho da fé?
Por minhas palavras e/ou minhas atitudes alguém se sentiu mal e molestado a tal ponto de abandonar o caminho da fé?
O que é o que hoje pode me afastar de Deus e de seu projeto para mim?
Que ações de minha vida (“mão e pé”) deverei corrigir para obedecer seriamente ao Senhor?
Que pensamentos, afetos, sentimentos de minha interioridade (“olho”) deverei corrigir e reorientar hoje para obedecer à palavra de Deus?
Em definitivo: o que devo “cortar” hoje para ser um autêntico discípulo missionário do Senhor?

3 - ORAÇÃO

O que digo a Deus? O que lhe dizemos?
Para a oração podemos utilizar o Salmo 1:
Bem aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.
Em chave sapiencial, de sabedoria, nos são apresentadas as formas de vida dos que “cortam” com o que os afasta de Deus (“os bons”); e a vida dos que “não cortam” com o que os afasta de Deus (“os malvados”).

4 - CONTEMPLAÇÃO

Como interiorizo a mensagem? Como interiorizamos a mensagem?
Para interiorizar a mensagem deste Domingo propomos utilizar o verbo “cortar” descrevendo aquelas situações que realmente há que cortar para não afastar-se do caminho do Senhor:
· Senhor quero tua força para cortar as pequenas ou grandes mentiras…
· Senhor quero tua força para cortar a mediocridade e a indiferença que muitas vezes me invade…
· Senhor quero tua força para cortar a sensualidade e a vivência de uma sexualidade separada do amor…
· Senhor quero tua força para cortar...

5 - AÇÃO

Com que me comprometo? Com que nos comprometemos?

Proposta pessoal
Fazer uma lista daquelas coisas da vida que seria necessário “cortar” para não afastar-se do caminho do Senhor.
Proposta comunitária
Buscar em teu povo, em teu povoado, bairro e cidade que organizações da Igreja ou de outros âmbitos se comprometem seriamente em “expulsar os demônios” de nosso tempo. Seria interessante fazer contato para ver em quê se pode conseguir uma unificação de forças para o serviço aos mais fracos, pobres e necessitados.

Nenhum comentário: