sábado, 12 de setembro de 2009

24º Domingo Comum – Ano B - Mc 8,27-35

LECTIO DIVINA
Domingo 13 de Setembro de 2009
Autor: Pe. Gabriel Mestre
Tradução: Pe. Carlos Henrique Nascimento
lectionautas.com

1 - LEITURA
O que diz o texto?
Indicações para a leitura
Queridos irmãos:
Depois da cura do cego em Betsaida (versículo 22), Jesus vai para o norte com seus discípulos, para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho, o Senhor quer instruir seus discípulos e parte da seguinte pergunta: quem o povo diz que eu sou? A pergunta não é superficial. O diagnóstico revela que “o povo” não compreendeu quem realmente seja Jesus. Todos os personagens que aparecem em sequência são “homens”, grandes homens da história de Israel, porém sem referência à divindade de Jesus.
Depois que os discípulos falam, Jesus lhes fará a mesma pergunta: E vocês? Quem vocês dizem que eu sou? Pedro responde em nome de todos: Tu és o Messias! A resposta de Pedro está correta. Ser Jesus o Messias significa que Ele é aquele que todo o povo estava esperando como salvador definitivo de todos os homens, aquele que devia instaurar definitivamente o Reino de Deus. A afirmação de Pedro é toda uma profissão de fé em Jesus como Messias, Deus e Salvador. É absolutamente correta em sua formulação.
A partir do versículo 31, muda o “clima” do relato e Jesus começa a narrar situações sobre sua própria vida que nunca tinha dito antes: terá de sofrer muito, será rejeitado pelos líderes religiosos do povo, será morto e vai ressuscitar... Quanto ao ressuscitar, parece que os discípulos não entendem ainda, pois o que os escandaliza é a primeira parte do relato. Então, Pedro o leva à parte para repreendê-lo. Que atrevimento o de Pedro! Repreender o próprio Deus! Jesus vai responder imediatamente à relação de Pedro diante de todos os discípulos: os raciocínios de Pedro não vêm de Deus, surgem da natureza humana seduzida por Satanás. Se o plano de Deus é que Jesus sofra e morra para salvar a todos os homens, é assim que deve ser e, Jesus, sendo o próprio Deus, obedecerá à vontade do Pai eterno.
Graças a esta situação, o Senhor realizará uma primeira “catequese” sobre o tema da cruz e o sofrimento na vida do discípulo que quiser realmente segui-lo.

Saiba que: na terra de Jesus há duas localidades que têm o nome de Cesareia: “de Filipe” e “Marítima”. Cesareia de Filipe: localizada ao pé do monte Hermon nas colinas do Golan. A cidade estava localizada na região conhecida como "Panion", região do deus grego Pan. Herodes Filipe, filho de Herodes o Grande, ampliou e enriqueceu a cidade, dando-lhe o nome de Cesareia em honra a César, ao que acrescentou ‘de Filipe’ para distingui-la de Cesareia de Palestina, porto marítimo do sul. Cesareia Marítima (ou de Palestina, ou do Mar): é uma antiga cidade que foi construída por Herodes o Grande por volta de 25-13 a.C. Situa-se na costa de Israel, a metade do caminho entre Tel Aviv e Haifa.
Outros textos bíblicos para confrontar: Mt 16,13-26; Lc 9,18-27; Mc 1,34; Mt 21,42.
Para continuar aprofundando estes temas, tente localizar nos mapas da sua Bíblia os lugares: Betsaida, Cesareia de Filipe.

Perguntas para a leitura
Por quais regiões anda Jesus? Em que lugar se encontra e aonde se dirige?
Está sozinho? Com quem anda?
O que pergunta Jesus a seus discípulos?
O que eles respondem?
Qual é a segunda pergunta que faz Jesus? A quem é dirigida?
Quem responde a esta segunda pergunta? O que diz ao Senhor?
O que faz Jesus a partir deste momento? Que coisas novas começa a dizer?
Qual é a reação de Pedro ao escutar estas palavras? O que faz com Jesus?
Como reage o Mestre perante a repreensão de Pedro?
Que frases usa o Senhor?
O que diz a seus discípulos e ao povo a partir desta situação?

2 - MEDITAÇÃO

O que me diz o texto? O que nos diz o texto?
Perguntas para a meditação
O que respondo hoje se Jesus me faz a primeira pergunta que fez aos discípulos?
O que diz hoje o povo de Jesus? O que opina? O povo vê Jesus como um revolucionário? Como uma referência moral? Como um defensor dos pobres e marginalizados? Como um profeta de calamidades? Como…?
Veem em Jesus o Messias, verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem?
Fica claro que Jesus tem uma missão integral, enquanto liberta o homem de todas as prisões, começando pela mais prejudicial que é o próprio pecado?
E eu? O que “penso” acerca de Jesus?
O que “opino” sobre ele?
Quem é Jesus para mim? É realmente o Messias, o Enviado de Deus?
O que penso da missão de Jesus?
Que impacto tem sobre mim o fato de que Ele para salvar-nos tenha tido que sofrer muito e passar pela morte e morte de cruz?
“Escandaliza-me” o fato de Jesus ter morrido na cruz?
Tenho a atitude de Pedro de afirmar com todas as forças que Jesus é o Messias e logo não aceitar na vida a realidade do sofrimento e da morte?
Detenho-me somente em pensamentos humanos? Termino “falando como Satanás”?
Em que situações de minha vida não tenho aceitado a realidade do sofrimento e da morte? Revolto-me contra Deus? De que forma?
Deixo-me instruir por Jesus? Deixo que Ele me ensine?
Quero ser realmente discípulo do Senhor?
Aceito que tenho que esquecer fazer minha própria vontade e estar disposto a morrer numa cruz?
O que significa para mim de maneira concreta hoje aprender a “morrer na cruz”?
Preocupo-me demasiado com a minha vida, a tal ponto de não me entregar generosamente aos outros?

3 - ORAÇÃO

O que digo a Deus? O que dizemos a Deus?
Para a oração vamos utilizar um belo hino de São Paulo que nos fala do mistério da vida de Cristo:
Fl 2,5-11
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;
Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

Tenhamos presente como neste hino se equilibram as duas naturezas de Cristo: a humana na primeira parte e a divina na segunda. É uma excelente catequese sobre Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem.


4 - CONTEMPLAÇÃO

Como interiorizo a mensagem? Como interiorizamos a mensagem?
Para realizar a contemplação deste texto da Escritura vamos tomar a frase de Pedro: Tu és o Messias… Descreveremos situações de nossa vida e faremos logo delas profissão de fé:
· Quando o medo chegar à porta de minha vida, quero dizer com todas as minhas forças: Tu és o Messias.
· Quando me vir tentado em seguir outros caminhos diferentes dos teus, vou dizer: Tu és o Messias.
· Quando me sentir sozinho e desamparado, gritarei com todas as minhas forças: Tu és o Messias.
· Quando…
· Quando…

5 - AÇÃO

Com que me comprometo? Com que nos comprometemos?
Proposta pessoal
Fazer um sincero exame de consciência para revisar em que oportunidades, pensei “como um homem qualquer”, sem levar em conta a presença de Deus em minha vida, deixando-me levar pelos critérios de Satanás.
Proposta comunitária
Tendo presente os jovens de teu grupo fazer o exercício de perguntar aos jovens de diferentes ambientes: quem é Jesus para você? Depois juntar todos os membros de teu grupo para analisar as respostas … o que pensam os jovens de Jesus?

Um comentário:

Lua Linda disse...

Amei o site!

Realmente o senhor é muito abençoado Padre Carlos!!!

Parabéns! :D