segunda-feira, 18 de maio de 2009

Domingo da Ascensão do Senhor (At 1,1-11)

Domingo, 24 de Maio de 2009
1 – LEITURA
O que diz o texto?
Ao celebrar a Solenidade da Ascensão do Senhor, a liturgia deste ano nos brinda com o texto evangélico de Mc 16,15-20. Porém, dado que o relato completo deste episódio da vida de Cristo se encontra no livro dos Atos dos Apóstolos, vamos rezar e trabalhar com este último texto que podemos dividi-lo em três partes:
· Versículos 1-3: Introdução de todo o livro dos Atos dos Apóstolos;
· Versículos 4-8: Diálogo de Jesus ressuscitado com seus discípulos;
· Versículos 9-11: Ascensão propriamente dita.
Nos primeiros versículos fica claro que o mesmo autor do evangelho de Lucas é o dos Atos. Escreve-se a um tal Teófilo (literalmente “o que ama a Deus”), que pode ser um personagem real e histórico ou um artifício literário para que todos os ouvintes de todos os tempos nos sintamos representados neste “Teófilo”. O que é narrado no “primeiro livro” foi o que aconteceu com Jesus desde o principio até a ascensão ao céu.
Na segunda parte do texto, narram-se os acontecimentos finais da vida de Jesus nesta terra e se dá início ao diálogo. Tal diálogo se inicia com uma pergunta dos apóstolos que no texto do lecionário, apresenta-se da seguinte forma: “é agora que vais restaurar o reino em Israel?” Jesus responde a eles dizendo que tais coisas correspondem a Deus resolver. Imediatamente, lhes recordará que necessitam se preparar para receber o Espírito Santo, que os converterá em testemunhas de Deus em seu território e em toda a terra. O interessante é que os apóstolos até este ponto não têm entendido que Jesus não é um “rei político” para Israel. Ele não é um “messias terreno” que vem para resolver os problemas políticos e sociais do povo, mas sim um Messias Religioso que vem trazer ao Povo de Deus todos os bens messiânicos resumidos na plenitude, na alegria e na paz.
Na última parte se descreve a ascensão de Jesus aos céus em meio a uma nuvem. Aparecem dois seres celestiais que fazem uma pergunta questionadora aos apóstolos: “por que ficais aqui, parados, olhando para o céu?” Assim como na parte anterior do relato ficavam “olhando para a terra” esperando um “messias terreno”, agora caem no erro contrário de ficar “olhando para o céu”, sem colocar mãos à obra com relação ao que Jesus recomendou que fizessem aqui na terra: anunciar a Palavra e converter ao caminho da fé todos os homens e mulheres de todos os tempos e culturas.
Tenha em conta que: o livro dos Atos dos Apóstolos se encontra no Novo Testamento, logo depois dos quatro evangelhos. O autor de tal texto é o mesmo do terceiro evangelho, ou seja, Lucas. Portanto, apresenta muitas semelhanças de temas e reflexões. No entanto, no primeiro livro, no evangelho, nos é narrado de maneira particular o ministério de Jesus, Nosso Senhor; e, no segundo livro, nos é relatado o “ministério” da Igreja nascente em meio ao serviço de todos os homens, começando por Jerusalém e estendendo-se até os confins da Terra. Outros textos bíblicos para confrontar: Lc 1,1-4; 24,49-51 e Mt 28,19-20.

Perguntas sobre a leitura
· A quem se dirige o relato?
· A quantos livros se refere o escritor deste texto?
· O que apresentou no seu “primeiro livro”?
· Qual foi seu primeiro livro? Dispomos dele hoje?
· O que Jesus ordena a seus discípulos num determinado momento do relato?
· Que pergunta fazem os apóstolos a Jesus?
· Qual o significado deste “converter-se em rei” que os apóstolos cobram de Jesus? É um “reinado espiritual” ou um “reinado político”?
· Os apóstolos compreenderam realmente a mensagem de Jesus ou ainda lhes falta entender?
· O que Jesus responde aos apóstolos?
· A que os convida?
· O que logo acontece?
· Como se descreve a ascensão de Jesus aos céus?
· Quem aparece e como estão vestidos?
· O que estes “personagens celestiais” dizem aos apóstolos?

2 - MEDITAÇÃO
O que me diz o texto? O que nos diz o texto?
· Sinto-me identificado com o “Teófilo” deste relato? Sinto que hoje são Teófilo e Lucas que escrevem para mim seu Evangelho e o Livro dos Atos?
. O que me diz a síntese perfeita que se faz do conteúdo do Evangelho nos primeiros versículos deste texto?
· O que significa para mim hoje que eu não “saia de Jerusalém” para esperar a força do Espírito Santo? Por que e em que situações deverei deter-me e esperar para ter a força do Espírito que compartilharemos na celebração de Pentecostes no próximo fim de semana?
· Como entendo o “messianismo de Jesus”? Como entendo decididamente a figura de Jesus? Considero que é um “líder” a mais com boas intenções e que busca a justiça e a paz em nosso mundo? Ou capto que por sobre todas as coisas é Deus e Senhor e vem trazer a justiça e a paz desde uma perspectiva em primeiro lugar religiosa e espiritual que, evidentemente, tem incidências na vida terrena e histórica?
· Corro o risco de esvaziar o messianismo de Jesus? Tenho um olhar muito “na horizontal” que me impede em alguns momentos de aspirar aos bens eternos?
· Tenho a tentação de “ficar olhando para o céu” e não assumir os compromissos que tenho aqui na terra?
· Corro o risco de ser muito “vertical” e cair num excesso de espiritualismo que me afaste das responsabilidades que Deus me pede no mundo atual onde nos toca viver?

3 - ORAÇÃO
O que digo a Deus? O que dizemos a Deus?
Como vimos, a festa da ascensão de Jesus aos céus é a celebração do equilíbrio entre o céu e a terra, é a necessidade de não mover-se nem para um lado, nem para o outro. Por isso para a oração pode ser útil ter presente a mesma dinâmica da Lectio Divina que ajuda nesta direção. Os passos se situam numa dimensão claramente espiritual e religiosa para ter contato com Deus através de sua Palavra até a contemplação, porém não para ficar parados ali “olhando para o céu”, mas sim para descer, transformados pelo Senhor, à ação cotidiana e concreta nesta terra.
A oração deveria ser uma profunda ação de graças a Deus pelo presente da Lectio Divina, que nos permite viver o equilíbrio dinâmico da fé cristã que em nosso transitar histórico sempre se desenvolve entre “céu” e “terra”.

4 - CONTEMPLAÇÃO
Como interiorizo a mensagem? Como interiorizamos a mensagem?
Para interiorizar a mensagem deste domingo, propomos tomar a frase dos dois homens vestidos de branco aos apóstolos, para aprofundar a partir de Deus, nosso compromisso aqui na terra:
· Por que vocês estão aí parados olhando para o céu?

5 – AÇÃO
Com que me comprometo? Com que nos comprometemos?
Proposta pessoal
· Revisar em meu coração se há atitudes reducionistas com relação à pessoa de Jesus. Fazer um profundo ato de fé em sua força e em seu poder como Deus e Senhor da vida.
Proposta comunitária
· À luz da frase do texto: “para falar de mim em Jerusalém, em todo o território da Judéia e da Samaria e também nos lugares mais distantes do mundo”; dialogar com teu grupo para discernir que “nomes” poderiam ser colocados hoje segundo a própria realidade. Onde, decididamente, necessitamos ser testemunhas do Senhor? Pode ser nomes de lugares físicos…(meu bairro, minha cidade, meu país…) ou nomes de situações (juventude, clubes, os âmbitos de droga…)
CELAM/CEBIPAL – SOCIEDADES BIBLICAS UNIDAS
Pe. Gabriel MESTRE

Nenhum comentário: