sexta-feira, 23 de março de 2007

V DOMINGO DA QUARESMA - Jo 8,1-11


QUEM NÃO TEM TETO DE VIDRO QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA


Sempre que escutava esta canção da roqueira baiana Pitty, automaticamente me lembrava da seguinte frase do Evangelho de João: “Quem de vós não tiver pecado que atire a primeira pedra!”. Resolvi fazer uma busca e descobri que a cantora na realidade combinou esta passagem com o ditado popular: quem tem teto de vidro não atira pedras no telhado do vizinho.
Hoje, passamos da parábola do filho pródigo à realidade: Jesus oferece perdão total à pecadora, muda o seu coração, dá a ela a possibilidade de recomeçar tudo de novo. No Evangelho deste domingo, nos deparamos com Jesus que ensina no templo. O povo está em volta dele, escutando com atenção seus ensinamentos. Desta vez, os fariseus e os mestres da lei levam até ele uma mulher que foi pega em flagrante adultério. O caso parece muito claro: uma mulher que se deita com um homem que não é o seu, não tem piedade. A lei é clara: “Se alguém comete adultério com a mulher do seu próximo, o adúltero e a adúltera devem ser punidos com a morte” (Lv 20,10). Que cilada armaram contra Jesus. Que outra coisa Jesus poderá fazer a não ser concordar com seus adversários?! O mal cometido deve ser eliminado! A mulher deve ser apedrejada. Os escribas conhecem bem a lei e pedem a Jesus para aplicá-la. É uma armadilha bem arquitetada: será Jesus legalista? Ou arriscará contradizer Moisés? Tudo é tramado em torno do que Jesus fará com relação aos pecadores, ao povão que estava em volta dele. Se deixar a mulher ser apedrejada, aprova a lei e o comportamento dos seus adversários contra os pecadores; e assim, seu comportamento de desprezo seria desmascarado diante de todo o povo. Mas, nesse caso, onde ficaria a imagem do Pai bondoso que sai ao encontro do filho pródigo? Se, pelo contrário, ele não aprovar o agir dos fariseus e acolher a pecadora, estará descumprindo uma lei que é claríssima e também nesse caso, diante do povo se mostraria como alguém que infringe a lei.
Todos esperam para ver como Jesus se sairá desta, pois, a pergunta o obriga a tomar uma posição. Temos a impressão de que ele parece não saber decidir. Com a maior calma do mundo, ele ganha tempo, riscando com o dedo a terra: são segundos eternos de impaciente silêncio. Ele parece não estar nem aí para seus opositores, não lhes dá nenhuma resposta. Estes se encontram muito seguros de si mesmos, enquanto a mulher deveria se encontrar num pavor terrível e o povo muito tenso. Aquele silêncio é o silêncio da espera porque está pra surgir uma coisa nova, como nos afirma a primeira leitura: eis que farei coisas novas e que já estão surgindo.
Se como insistiam, eis que Jesus se levanta e com sua inteligência impressionante e movido pelo amor que sempre pregava, rompe o silêncio e a sua palavra é como uma espada que se finca com profundidade na consciência, golpeando todo tipo de hipocrisia: “Quem dentre vós não tiver pecado seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra”. Era como se perguntasse: como você pode condenar esta mulher enquanto você também é adúltero? Porque todo pecado é um adultério aos olhos de Deus. Os acusadores, aqueles presumidos, queriam negar à adúltera a possibilidade de uma mudança. Com a chuva de pedras que pretendiam realizar, queriam sepultar não só o pecado, mas também a pessoa, o seu passado e o seu futuro.
Jesus não responde diretamente a pergunta deles. Chama a atenção pra um fato importante por eles esquecido: sobre a verdadeira situação deles diante de Deus. Deu um tempo pra eles pensarem, voltando a desenhar com o dedo no chão. O mais interessante aparece aqui. Os fariseus, que nunca aceitam o que Jesus diz, dessa vez se tocam. Nenhum dos que estavam lá teve a coragem de jogar sua pedra na mulher. Se deram conta que todos têm pecado e devem cuidar de superar os seus. Quando Jesus se levanta, percebe que todos foram embora. Só estão ele e a mulher. Também Jesus não condenou a mulher, mas exortou: “de agora em diante não peques mais”. Jesus a absolve, mas recorda-lhe sua nova tarefa.
Enfim, todos nós erramos e reconhecer esses erros é o que faz a diferença. Sempre temos uma chance pra começar de novo e o próximo também tem a mesma chance. Quanto a este, só julgá-lo já é um grande erro. Ninguém é perfeito, mas lembremos sempre as palavras de Paulo: esquecendo o que fica para trás, eu me lanço para o que está na frente. Corro direto para a meta, rumo ao prêmio que, do alto, Deus me chama a receber em Cristo Jesus.

Um comentário:

Leandro disse...

Ciao amico!

Mi piace il commento che hai fatto alla lettura della prossima domenica.
Volevo far notare l'espressione della cantante Pitty: QUEM NÃO TEM TETO DE VIDRO QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA. Secondo me è una bella parafrase in modo moderno della espressione di Gesù, rivolta alla folla che voleva lapidare la donna adultera.
Come tu lo sai già, questa canzone mi piace da morire. Ti ricordi che sei stato tu a farmela conoscere?

Abbraccio e buona domenica.